Homem-Aranha francês é condenado a 8 anos de prisão por roubar obras de Picasso e Matisse - Radio Tropical FM 99.1
(49) 3537.0980
Telefone
(49) 99104.0013
Celular SMS / WhatsApp
Acompanhe
nas redes sociais
Concorra a prêmios! Seja o primeiro
a saber dos sorteios e promoções.

França Homem-Aranha francês é condenado a 8 anos de prisão por roubar obras de Picasso e Matisse

Homem-Aranha francês é condenado a 8 anos de prisão por roubar obras de Picasso e Matisse

Vjeran Tomic já acumulava 14 condenações e é conhecido por escalar paredes com agilidade durante os crimes. Juntos, quadros levados de museu em Paris valem mais de 100 milhões de euros.

Um criminoso conhecido como "Homem-Aranha" foi condenado a oito anos de prisão nesta segunda-feira (20) por roubar cinco pinturas de um museu de Paris. Juntos, os quadros são avaliadas em mais de 100 milhões de euros.

Vjeran Tomic, de 49 anos, disse a investigadores que invadiu o Museu de Arte Moderna da capital francesa em maio de 2010 com a intenção de levar obras de Fernand Léger e Amedeo Modigliani.

Quando entrou nas instalações, ele descobriu não haver nenhum sistema de alarme mais complexo e decidiu elevar o objetivo, incluindo pinturas de Pablo Picasso, Henri Matisse e Georges Braque. Mais tarde os investigadores verificaram que o sistema de alarme realmente era defeituoso.

Tomic já acumulava 14 condenações por roubo de joias e obras de arte, muitas delas realizadas escalando paredes com agilidade para entrar em apartamentos - o que lhe rendeu o apelido de "Homem-Aranha".

Dois outros homens, o antiquário Jean-Michel Corvez e o comerciante de relógios Yonathan Birn, foram sentenciados a sete e seis anos, respectivamente, por lidar com as pinturas. Os três ainda receberam multas pesadas - 200 mil euros para Tomic e 150 mil euros para os outros dois. Juntos eles ainda foram obrigados a restituir o valor total das obras - estimado em 104 milhões de euros - à cidade de Paris.

Durante o julgamento, Birn disse ter jogado as pinturas fora. Nenhuma delas foi recuperada, e os investigadores parecem acreditar que elas não estão mais na França.

 

Veja as mais acessadas