Um ano após acidente de ônibus que matou 9 em Alfredo Wagner-SC, Ministério Público cobra respostas - Radio Tropical FM 99.1
(49) 3537.0980
Telefone
(49) 99104.0013
Celular SMS / WhatsApp
Acompanhe
nas redes sociais
Concorra a prêmios! Seja o primeiro
a saber dos sorteios e promoções.

Alfredo Wagner Um ano após acidente de ônibus que matou 9 em Alfredo Wagner-SC, Ministério Público cobra respostas

Um ano após acidente de ônibus que matou 9 em Alfredo Wagner-SC, Ministério Público cobra respostas

Um ano depois do acidente com o um ônibus na BR-282, em Alfredo Wagner, na Grande Florianópolis, as circunstâncias não foram totalmente esclarecidas, segundo o Ministério Público e a defesa da viúva do motorista.

O desastre deixou nove mortos, incluindo o condutor, e mais de 30 pessoas feridas, no dia 11 de janeiro de 2015.

O ônibus da empresa Reunidas havia saído de Posadas, na Argentina, com destino a Florianópolis. A 100 quilômetros do destino, o motorista perdeu o controle em uma curva e o ônibus caiu de uma ribanceira de mais de 40 metros. A maioria dos passageiros era do Rio Grande do Sul e havia embarcado em Passo Fundo.

O inquérito, que ficou a cargo da Polícia Civil em Bom Retiro, levou seis meses para ser concluído e ouviu mais de 20 passageiros.

A perícia descartou problemas mecânicos. Por isso, a principal hipótese da polícia é de que o acidente tenha sido causado por falha humana.

Conforme a investigação, o ônibus estaria acima da velocidade permitida. A suspeita é de que o motorista tenha dormido ao volante.

Segundo o Delegado Antônio Cláudio Jóca, nesse momento, o inquérito policial se encontra concluído. Caso o Ministério Público ou a própria Justiça entendam que há a necessidade de novas deligências, fatalmente esse inquérito retornará para a delegacia para se poder realizar as novas deligências requisitadas.

O Ministério Público já fez esse pedido, mas ele ainda está em análise na justiça. No requerimento, a promotora Daniele Moritz questiona por que não houve troca de motoristas durante toda a viagem.

O MP também quer saber qual era o trajeto oficial do onibus, já que depoimentos disseram que ele deveria viajar pela BR 470, e não pela BR-282.

Quando o pedido chegar à delegacia, a polícia tem o prazo dois meses pra apurar todas as informações. 

Veja as mais acessadas