Santa Catarina completa 15 anos como Zona Livre de Febre aftosa sem vacinação - Radio Tropical FM 99.1
(49) 3537.0980
Telefone
(49) 99104.0013
WhatsApp
Acompanhe
nas redes sociais

Concórdia Santa Catarina completa 15 anos como Zona Livre de Febre aftosa sem vacinação

Santa Catarina completa 15 anos como Zona Livre de Febre aftosa sem vacinação

Presidente da ACCS – Associação catarinense de Criadores de Suínos, destaca os 15 anos da certificação de área livre de febre aftosa sem vacinação em Santa Catarina.

Nosso estado comemora esse mês 15 anos do reconhecimento internacional de área livre de febre aftosa sem vacinação.

Em entrevista a Rádio tropical FM, o Presidente da Associação Losivânio Luiz de Lorenzi, comemorou a data.

O status sanitário diferenciado foi fundamental para que o estado se tornasse o maior produtor e exportador de carne suína de todo o país, além de abrir as portas para os mercados mais exigentes e competitivos do mundo.

Desde a suspensão da vacina em 2007, Santa Catarina se consolidou como grande produtor e exportador de carnes, com acesso aos mercados mais exigentes do mundo.

Losivânio destacou que esse status, mostra a competência que tiveram nossos produtores, industrias, cooperativas e governo no trabalho de erradicação dessa peste que assolava o nosso país.

Destacou que durante esses 15 anos, foi realizado um trabalho muito difícil, pois, não foi fácil colocar na cabeça dos produtores a importância da vacina.

Disse ainda que os produtores hoje têm feito a diferença, cumprindo as exigências de mercado.

Segundo o Presidente da ACCS esse trabalho de sanidade é muito importante, mas hoje o grande problema enfrentado é a crise por que passam os suinocultores, onde muitas propriedades que ajudaram a chegar a essa certificação, estão fechando por essa crise que assola o mercado a quase 16 meses.

Finalizou destacando que precisamos sempre pensar nessa sanidade, mas também nos nossos produtores que hoje vivem sem uma qualidade adequada de vida, sonhos destruídos e estruturas que levaram tempo para serem construídas sendo abandonadas devido aos produtores não conseguirem mais atender a esse alto custo de produção.

Veja as mais acessadas