Tempo seco e onda de calor do Extremo Oeste ao Meio-Oeste de SC - Radio Tropical FM 99.1
(49) 3537.0980
Telefone
(49) 99104.0013
WhatsApp
Acompanhe
nas redes sociais

Oeste Catarinense Tempo seco e onda de calor do Extremo Oeste ao Meio-Oeste de SC

Tempo seco e onda de calor do Extremo Oeste ao Meio-Oeste de SC

A estiagem vem castigando as regiões do Oeste, Meio-Oeste e sobretudo o Extremo Oeste de SC, com chuva escassa e vários dias consecutivos de tempo seco no mês de dezembro e janeiro, situação que se agravou ainda mais com as ondas de calor que assolam a região, provocando prejuízos na agricultura, pecuária e no abastecimento de água. Em dezembro 15 a 26 dias não apresentaram registro de chuva apreciável acima de 0,2 mm e os poucos episódios de chuva ocorreram na segunda quinzena, com pontuais mais elevados em Videira e Curitibanos, como mostra a Tabela 1. No período de 01 a 20 de janeiro de 2022 foram 6 a 16 dias sem chuva, com um período mais prolongado sem precipitação aproximadamente entre as datas 03 a 13/01 ou de 05 a 15/01 dependendo da localidade, com pontuais de chuva mais elevados em áreas próximas ao PR, em Dionísio Cerqueira e Abelardo Luz.

Calor intenso devido a ondas de calor em SC (com cinco ou mais dias consecutivos com 2ºC acima da média climatológica) foram registrados nos períodos de 15/12/2021 a 02/01/2022 afetando as áreas do Extremo Oeste, mais próximas ao RS e a segunda onda deste verão que teve início no dia 11/01/2022 e deve se estender até a metade da próxima semana (26/01), devido à condição de bloqueio atmosférico. A temperatura máxima nesses períodos ficou acima de 30°C na maior parte das localidades, e acima de 34°C em áreas mais próximas do RS, chegando a 38°C e 41°C entre os dias 17 e 18/01 (Tabela 2).

A partir do dia 27/01, uma frente fria deve avançar no Sul do Brasil, quebrando o bloqueio atmosférico, provocando chuva com temporais localizados e diminuição da temperatura (fim da onda de calor). Nos últimos dias de janeiro, o indicativo é de chuva mais frequente e melhor distribuída nas regiões do Extremo Oeste, Oeste e Meio-Oeste, com totais mais elevados nas áreas mais próximas ao Paraná. Essa condição deve amenizar um pouco a situação da estiagem.

 

Fonte: Meteorologistas (Epagri/Ciram)

Veja as mais acessadas