Morre o artesão de uma das tradições mais marcantes de Treze Tílias: o campanário - Radio Tropical FM 99.1
(49) 3537.0980
Telefone
(49) 99104.0013
WhatsApp
Acompanhe
nas redes sociais

Treze Tílias Morre o artesão de uma das tradições mais marcantes de Treze Tílias: o campanário

Morre o artesão de uma das tradições mais marcantes de Treze Tílias: o campanário

Faleceu neste domingo, dia 18, aos 81 anos, o artesão André Moser. Moser dedicou mais de 20 anos de sua vida a construção de campanários, ornamento imperativo nas casas e edificações de arquitetura alpina.

Filho de imigrantes, André Moser ganhou a vida como carpinteiro, mas a notoriedade e a fama vieram, quando começou a dedicar seu tempo a arte de fazer campanários, após sua aposentaria.

Para aperfeiçoar sua arte, Moser foi buscar conhecimento na Áustria, de onde vem a origem do adorno, também conhecido como torre de sinos, ou em alemão: Dachglockenstühl.

Ao longo de mais de duas décadas, André Moser perdeu as contas de quantos campanários construí. Suas obras podem ser vistas em todos cantos de Treze Tílias e estão espalhados por centenas de cidades pelo Brasil afora.

André Moser amava seu ofício, sentia orgulho de ver suas obras nas casas e jardins. Para ele, o campanário era mais uma forma de divulgar a arte e cultura de Treze Tílias.

Nos últimos anos, para dar conta da demanda e pedidos, André passou a ter a companhia e ajuda do filho Mauro, a quem passou todo o conhecimento sobre a arte de fazer os tradicionais campanários.

Como passatempo, gostava de fazer caminhadas na ciclovia e adorava uma boa leitura em alemão. Seu gênero preferido era o romance. Nas redes sociais amigos e conhecidos lamentaram a morte de André Moser, e comentaram sobre seu grande legado deixado a comunidade trezetiliense.

O campanário é típico da Áustria e Sul da Alemanha. São adornos que completam a arquitetura e a memória do passado histórico.

O campanário é feito basicamente em madeira. Sua estrutura constitui um telhado cônico feito com placas, tabuinhas de madeira. Na ponta do telhado pode ser colocado o galo, feito de metal.

Logo abaixo da estrutura do telhado, entre os suportes curvados, é fixado o sino que pode ser de alumínio ou bronze.

Originalmente ele surgiu como instrumento de comunicação dos camponeses. Os usos dos sinos tinham diferentes finalidades. As batidas incessantes indicavam ocorrência de doença, incêndio, acidentes entre outros.

O sino também era a forma de anunciar momentos importantes como o casamento ou até mesmo o falecimento. Mas também podem ser utilizados para comunicar os trabalhadores da fazenda, ou até mesmo da família, que a refeição esta servida.

Os sinos ainda recebiam atribuições de poderes “mágicos”, nos tempos antigos, com força de impedir os maus espíritos, doenças, bruxarias e tempestades.

Veja vídeo sobre André Moser

Veja as mais acessadas