Homem negro é espancado e morto por seguranças de supermercado no RS - Radio Tropical FM 99.1
(49) 3537.0980
Telefone
(49) 99104.0013
WhatsApp
Acompanhe
nas redes sociais

Rio Grande do Sul Homem negro é espancado e morto por seguranças de supermercado no RS

Homem negro é espancado e morto por seguranças de supermercado no RS

Um homem identificado como João Alberto Silveira Freitas foi espancado por dois seguranças do supermercado Carrefour, no bairro Passo d’Areia, na zona norte de Porto Alegre (RS). As agressões aconteceram na frente do estabelecimento.

De acordo com testemunhas, ele teria discutido com dois seguranças do local, que foram presos em flagrante. Um terceiro homem, que é policial temporário e prestava serviço no local, também foi detido. Eles foram autuados por homicídio qualificado.

Segundo a Brigada Militar, a confusão teria iniciado no caixa do supermercado, envolvendo o homem e uma funcionária. A vítima teria ameaçado agredir a mulher, que chamou os seguranças. As informações são do portal GZH.

Os dois funcionários teriam posto João Alberto Silveira Freitas para fora da loja. A partir de então, as versões do fato são divergentes.

A Brigada Militar afirma que a vítima passou a brigar com os seguranças por não aceitar a remoção do local. Testemunhas que estavam no supermercado afirmam que o homem foi seguido pelos dois seguranças dentro do estabelecimento e agredido na saída. O fato, comprovado por vídeos, é que ele foi brutalmente espancado e morto na frente do estabelecimento.

A reportagem recebeu vídeos que mostram duas cenas do confronto. Em uma delas, os dois seguranças, brancos, derrubam o homem, negro, e um deles dá vários socos na cabeça da vítima. Em outro vídeo, os dois homens imobilizam a vítima, já ensanguentada, no chão, enquanto uma funcionária tenta evitar a gravação das cenas e afirma que ele havia batido em uma fiscal.

O delegado Leandro Bodoia afirma que irá agora ouvir todos envolvidos e testemunhas e analisar as imagens das câmeras de segurança.

“No momento, ainda não podemos determinar o que de fato ocorreu. Não encontramos nenhum armamento no local. Agora, vamos ouvir todos os envolvidos e ver o que está nas câmeras para saber o que exatamente aconteceu”, ressaltou o delegado.

 

Com informações ND Online

 

Veja as mais acessadas