''O trabalho da minha vida se foi'', relata agricultor de Ibicaré - Radio Tropical FM 99.1
(49) 3537.0980
Telefone
(49) 99104.0013
WhatsApp
Acompanhe
nas redes sociais

Ibicaré ''O trabalho da minha vida se foi'', relata agricultor de Ibicaré

''O trabalho da minha vida se foi'', relata agricultor de Ibicaré

O agricultor Aléssio Biagentini tem 73 anos e há 51 trabalha em sua propriedade rural, localizada na Linha Duque de Caxias, interior de Ibicaré.

A sua propriedade foi uma das mais de 60 atingidas pelo tornado ocorrido na última sexta-feira (14), na região Meio Oeste de Santa Catarina. Ele relatou à reportagem da Rádio Tropical os momentos vividos naquela tarde.

Quando os ventos se intensificaram, seu Aléssio que estava trabalhando na propriedade correu para junto da esposa e os dois se agacharam em um canto em frente a uma churrasqueira em uma área construída em alvenaria na propriedade.

“A gente se escondeu em frente da churrasqueira, de repente arrancou parte da estrutura e caiu tudo. Ficaram só umas poucas telhas, exatamente sobre o local que nós estávamos”, lembra ele.

A casa da família Biagentini, construída em madeira, teve parte da varanda arrancada e toda a estrutura ficou comprometida. Eles não podem mais voltar a morar na residência porque a estrutura ficou comprometida.

“Destruiu tudo, estrevaria das vacas, garagem dos carros, a varanda da casa. A casa ficou, mas vou ter que demolir e construir uma nova, porque por dentro estourou tudo”, complementa.

Na propriedade, seu Aléssio trabalha com gado de leite e de corte, mas já adiantou que vai reduzir a atividade por conta da idade avançada. Seu objetivo agora, é apenas reconstruir a casa e seguir a vida.

Ele também lamentou a destruição da estrutura da igreja e do salão comunitário da Linha Duque de Caxias, que foram construídos pelos membros da comunidade com muito esforço.

“Graças a Deus estamos vivos e ninguém se machucou. Agradeço a todos que estão me ajudando. Pro resto da vida eu vou construir uma casinha e vamos vivendo”, comentou.

Vídeos – Oficina do Livro Editora


Igreja da comunidade de São José tinha acabado de passar por reformas

O morador da Linha São José, Vicente Sartori, também teve a casa atingida pelo tornado. Ele mora em frente à Igreja da comunidade, que ficou totalmente destruída.

No momento do tornado ele não estava em casa. Quando tentou chegar na residência, se deparou com o acesso totalmente interditado por árvores e também pelo portal da comunidade que foi ao chão.

“Eu só pensava na minha mulher e no meu irmão de 82 anos que estavam em casa. Achei que era o fim deles, mas graças a Deus quando consegui chegar em casa encontrei eles bem”, lembrou

Ele lembra que construiu a casa a pouco mais de 25 anos, e nunca houve destelhamento. Agora praticamente todo o telhado foi danificado.

Vicente é tesoureiro na diretoria da igreja da Linha São José. Segundo ele, uma reforma tinha acabado de ser feita, com a troca de janelas e de parte da cerâmica.

Os moradores haviam se organizado para fazer a limpeza do espaço na tarde do sábado, porque no domingo seria celebrada missa.

“Quando cheguei em casa e vi minha família sadia, agradeci a Deus e agradeço toda hora. Mas foi espantoso o negócio”, finaliza Sartori.

 

“A primeira coisa que lembrei foi das minhas vacas que são meu ganha pão”

O produtor rural Adair Kaifer, também residente da Linha São José também conversou com a reportagem da Rádio Tropical e lembrou os momentos vividos na sexta-feira (14).

Ele disse que inicialmente parecia que vinha uma chuva tranquila, mas quando começou a escurecer intensamente, toda a família foi para dentro de casa para se proteger.

Em poucos minutos começou a ventania, depois confirmada como tornado, que acabou com tudo.

“Foram três passadas, a primeira forte, a segunda mais ainda e a terceira não tanto. Mas na segunda o que tinha, levou”.

Todos os galpões da propriedade foram destruídos, entre o galpão das vacas, das máquinas, chiqueiro, confinamento, entre outros.

Ele disse que agora é erguer a cabeça e continuar trabalhando para reconstruir o que foi destruído. O mais importante, segundo ele, é que a família está bem e ninguém se machucou.

“Quando passou a primeira coisa que lembrei foi das minhas vacas que são o meu ganha pão, mas elas estavam bem”, contou o produtor bastante emocionado.

Já no sábado amigos e familiares foram até a casa de Adair para ajudá-lo com a parte mais urgente da reconstrução, para que pudesse ordenhar as vacas.

“Moro há 51 anos aqui. Não é fácil ver a tua vida inteira dedicada para uma coisa e tudo destruído em 2 ou 3 minutos”, finalizou.

Veja as mais acessadas