Agricultor vai comprar trator, é sequestrado e acaba matando os dois assaltantes no RS - Radio Tropical FM 99.1
(49) 3537.0980
Telefone
(49) 3537.0980
WhatsApp
Acompanhe
nas redes sociais

Rio Grande do Sul Agricultor vai comprar trator, é sequestrado e acaba matando os dois assaltantes no RS

Agricultor vai comprar trator, é sequestrado e acaba matando os dois assaltantes no RS

O Agricultor que matou os dois assaltantes em Pelotas, foi  preso por porte ilegal mas liberado após fiança, ele pretendia comprar um trator na cidade de Pelotas.

Uma falsa venda de trator terminou com dois assaltantes mortos na manhã desta quinta-feira (16), em Pelotas. O homem que matou a dupla foi preso por porte ilegal de arma de fogo, mas liberado após pagar fiança de R$ 500,00. A arma está legalizada. O comprador – natural de Carazinho, na Região Noroeste do Estado – teria negociado pela internet a compra da máquina em Pelotas e na manhã desta quinta encontrou os falsos vendedores.

De acordo com a Polícia Civil, o agricultor de 29 anos chegou na cidade, pegou um dos supostos vendedores em um posto de combustíveis e, em seguida, o outro, em local até agora não apurado. No momento em que o segundo assaltante embarcou no veículo, o assalto foi anunciado. O agricultor foi amarrado e colocado no banco traseiro do próprio carro, uma caminhonete Nissan. Durante o trajeto, na rua Dom Pedro I, o comprador disse aos assaltantes que estaria se sentindo mal. O motorista, então, parou a caminhonete. O agricultor conseguiu se desamarrar, sacou uma pistola .380 da cintura e atirou na cabeça do homem que estava ao seu lado. Depois, atirou no motorista. Um dos assaltantes chegou a caminhar por alguns metros, mas morreu. O outro não resistiu logo após sair do veículo. O comprador acionou a polícia.

Conforme o delegado plantonista, Robertho Peternelli, os assaltantes revistaram o agricultor mas não perceberam a arma. A dupla estava com um revólver e um simulacro de pistola. O homem de 29 anos já foi ouvido pelos agentes da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

A ocorrência das mortes ficará com a DHPP que deve comprovar a presença da excludente de ilicitude. Já o roubo, ficará com a Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), que irá apurar se há outras pessoas envolvidas no caso.

Ainda não há confirmação da identidade dos mortos.


Fonte: Gaúcha ZH

Foto: Reprodução RBS TV

Veja as mais acessadas