17 trabalhadores são encontrados em condições de escravidão no Oeste de SC - Radio Tropical FM 99.1
(49) 3537.0980
Telefone
(49) 99104.0013
WhatsApp
Acompanhe
nas redes sociais

Oeste Catarinense 17 trabalhadores são encontrados em condições de escravidão no Oeste de SC

17 trabalhadores são encontrados em condições de escravidão no Oeste de SC

O Grupo Especial de Fiscalização Móvel (GEFM) realizou uma operação no período de 10 a 19 de setembro nos estados do Paraná e Santa Catarina, com objetivo de combater o trabalho escravo. A ação se concentrou na região dos municípios de Coronel Domingos Soares/PR e Passos Maia/SC.

A operação, coordenada pela Subsecretaria de Inspeção do Trabalho (SIT), contou com a participação da Defensoria Pública da União (DPU) e da Polícia Federal. 

Em Passos Maia, no Oeste do Estado, os agentes encontraram um acampamento usado para alojamento de 17 trabalhadores que atuavam no corte de pinus. Segundo a SIT, todos estavam na informalidade, dentre eles, cinco pessoas eram submetidas a condições degradantes de trabalho. 

“Um alojamento muito ruim, que causou a nossa interpretação de trabalho escravo”, disse o Coordenador da operação, Cláudio Secchin. O local possuía precárias condições de higiene. 

Também foi encontrado um adolescente de 16 anos trabalhando em atividade perigosa, operando uma motosserra. 

Ainda de acordo com a SIT, havia um fogão à lenha no mesmo cômodo utilizado como dormitório, onde estavam beliches para o repouso dos trabalhadores. Além disso, o alojamento era construído com madeira, sendo, portanto, de fácil combustão. 

“Sujeitando os trabalhadores a risco de intoxicação por fumaça da queima da lenha para o preparo de alimentos, bem como a risco de incêndio”, disse a SIT, em nota. 

Remuneração 

Na presença da GEFM, os trabalhadores resgatados receberam o pagamento das verbas rescisórias, totalizando R$19.285,01 e terão direito ao recebimento de três parcelas do seguro desemprego do trabalhador resgatado. 

O adolescente, natural de General Carneiro/PR, foi afastado de suas atividades e teve seus direitos trabalhistas pagos pelo empregador. Além disso, recebeu R$4.888,33 por dano moral, valor estipulado pela Defensoria Pública da União. 

O empregador foi autuado com 15 Autos de Infração pelas irregularidades encontradas.

Fonte:ND+

Veja as mais acessadas