Assassinos planejaram massacre em escola de Suzano por mais de um ano, aponta investigação - Radio Tropical FM 99.1
(49) 3537.0980
Telefone
(49) 99104.0013
Celular SMS / WhatsApp
Acompanhe
nas redes sociais

São Paulo Assassinos planejaram massacre em escola de Suzano por mais de um ano, aponta investigação

Assassinos planejaram massacre em escola de Suzano por mais de um ano, aponta investigação

Os assassinos que mataram oito pessoas e depois se mataram na quarta-feira (13) durante o massacre numa escola de Suzano, região metropolitana de São Paulo, planejaram o crime por um mais de um ano, apontam as investigações preliminares da Polícia Civil. Outras 11 pessoas ficaram feridas, duas em estado grave.

Ainda de acordo com os policiais, Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, 25, pretendiam matar mais pessoas do que as 13 vítimas fatais do massacre de Columbine, ocorrido em 1999 nos Estados Unidos. Em abril, esse crime completará 20 anos.

A polícia de Suzano investiga o caso para tentar esclarecer as reais motivações que levaram Guilherme e Luiz entrarem armados na Escola Estadual Raul Brasil e atirarem e golpearem com machado alunos e funcionários. Antes, um deles matou o tio numa loja.

Após a matança, os assassinos, que eram alunos da escola, morreram. Segundo a polícia, Guilherme atirou em Luiz e depois se suicidou com a chegada da Polícia Militar (PM).

 
Mensagem em fórum na Deep Web  — Foto: TV Globo/ReproduçãoMensagem em fórum na Deep Web — Foto: TV Globo/Reprodução

 

Pistas: games, música, caderno, fotos e fórum na web

 

Os indícios que levam a investigação a crer que a chacina foi premeditada são games de tiros, anotações sobre táticas do jogo. Algumas anotações estão em dois cadernos encontrados no carro dos criminosos. Num deles há o desenho de uma arma.

 

Guilherme chegou a postar fotos ameaçadoras na internet momentos antes do crime. Ele aparece armado e com uma máscara de caveira numa das imagens.

A polícia também investiga a possibilidade de a dupla de assassinos ter frequentado um fórum intitulado Dogolachan na Deep Web, uma internet considerada obscura na qual pessoas anônimas incitam crimes de ódio e intolerância.

“Muito obrigado pelos conselhos e orientações ... esperamos não cometer esse ato em vão”, teria escrito um dos assassinos dois dias antes do massacre em Suzano.

Um dos amigos dos criminosos foi ouvido pela polícia na noite de quarta e contou que soube da intenção da dupla em fazer o atentado. Só não sabia quando seria.

Os investigadores já ouviram 20 pessoas no total, entre pessoas próximas aos assassinos e vítimas deles.

 
Moradores de Littleton se reúnem em memorial para as vítimas do massacre, em 24 de abril de 1999 — Foto: Mark Leffingwell/AFPMoradores de Littleton se reúnem em memorial para as vítimas do massacre, em 24 de abril de 1999 — Foto: Mark Leffingwell/AFP

 

Plano: ser maior do que Columbine

 

Além de terem suspeitas de que Guilherme e Luiz planejaram o crime há mais de um ano, os policiais acreditam ter elementos para descobrir outras peças desse quebra-cabeça para ajudar a entender a motivação do crime.

Computadores foram apreendidos na lan house onde os amigos assassinos costumavam jogar videogame.

Investigadores também já sabem que os dois fizeram pesquisas sobre atentados em escolas nos Estados Unidos. Pretendiam, por exemplo, fazer um ataque maior do que o massacre de Columbine, em Littleton, no estado americano do Colorado, em 1999, quando Eric Harris, de 18, e Dylan Klebold, 17, mataram a tiros 12 colegas e um professora antes de se suicidarem na escola. Outras 24 pessoas ficaram feridas.

 

No massacre de Suzano, Guilherme e Luiz mataram cinco alunos da Raul Brasil e dois funcionários. Antes de a dupla entrar na escola, o adolescente ainda matou seu tio no lava-jato em Suzano onde ele era dono.

Morreram os alunos Caio Oliveira, 15; Cleiton Ribeiro, 17; Douglas Murilo Celestino, 16; Kaio Lucas da Costa Limeira, 15; e Samuel Mequíades, 16.

Também perderam a vida, a funcionária ; e Eliana Regina de OIiveira Xavier, 38; e a coordenadora pedagógica Marilena Umezu, 59.

O empresário Jorge Antonio de Moraes, tio de Guilherme, foi o primeiro alvo. Segundo policiais, ele teria sido morto pelo sobrinho por ter descoberto o plano da dupla em matar os alunos na escola.

 
Guilherme Taucci Monteiro e Luiz Henrique de Castro, os assassinos de Suzano — Foto: ReproduçãoGuilherme Taucci Monteiro e Luiz Henrique de Castro, os assassinos de Suzano — Foto: Reprodução

 

Perfil dos assassinos

 

Policiais civis e peritos da Polícia Técnico-Científica foram as casas dos assassinos, que moravam a pouco mais de 1 quilômetro de distância do colégio.

Guilherme foi criado pela avó, que morreu há cerca de três meses. Atualmente ele estava morando com um tio.

Luiz vivia com os pais, um irmão mais velho e o avô. Ele era jardineiro e trabalhava na Zona Leste de São Paulo.

“Infelizmente a família completamente perplexa, os pais em choque, há idosos, o avô dele reside aqui, mais de 80 anos, estão todos completamente sem chão, sem norte”, disse Fabrício Cicone Tsutsui, advogado da família de Luiz.

 Além de investigar a participação dos assassinos nas redes sociais, a polícia quer saber como eles adquiram as armas e como alugaram o carro usados na chacina.

Câmeras gravaram massacre

 

Câmeras de segurança da escola e da vizinhança e vídeos feitos por celulares de alunos e funcionários da escola gravaram o crime e o desespero das vítimas para fugir massacre.

Outras imagens também mostram Guilherme e Luiz antes do crime. Eles haviam alugado um carro para cometer a chacina.

Primeiro foram a loja de Jorge, onde o sobrinho atirou nele e depois entrou no veículo, dirigido por Luiz. Os dois então foram para a escola. Pararam na frente do portão principal e entraram.

Guilherme chega e já começa a atirar nos colegas.

Depois aparece Luiz com um arco, flechas e uma mochila, onde carregava seis bombas caseiras. Com um machado, ele começa a golpear as vítimas caídas. Segundo a polícia, era para ter certeza de que elas seriam mortas.

As imagens mostram alunos e funcionários correndo. Alguns são golpeados por machado por Luiz. Um deles sai com a arma presa ao ombro.

Vítimas relatam desespero

 

“A gente estava servindo merenda na hora porque bateu o sinal e eles descem pra comer merenda. Então o maior número de crianças fica ali próximo a cozinha. E ali estavam, aí começou os pipocos, nós achávamos que era bombinha. Mas não foi. Ali começou a atirar e nós abrimos a porta da cozinha, colocamos o maior número de criança que a gente conseguiu colocar pra dentro. E ali ficamos acolhido até a polícia vir e tirar nós de lá. Mas nisso já estava já a tragédia já tinha acontecido”, disse a cozinheira da escola Silmaria Morais.

Outras imagens de câmeras de imóveis vizinhos da escola mostram os alunos pulando o muro para escapar dos criminosos.

“Eu estava assustado, eu estava assustado. Eu vi os barulhos de tiros, as pessoas já vieram gritando ‘é tiro, é tiro’, aí eu saí correndo. E as pessoas atrás de mim”, disse Lucas Alves, 16, aluno da escola. “Aí eu pulei os muros, consegui pular três muros se não me engano, e consegui fugir. Um colega meu veio atrás.”

Do pátio da escola, os assassinos seguiram para outro setor, um centro de estudos de línguas. Lá, eles tentaram entrar para matar mais alunos e funcionários, mas uma professora trancou a porta e ficou com todos ali dentro.

Com a chegada da Polícia Militar, Guilherme atirou em Luiz e depois se matou.

Investigação: carro e armas

 

A polícia já sabe que o carro usado pelos assassinos ficava num estacionamento e a dupla ia até lá de vez em quando, pra colocar os objetos que seriam usados no massacre.

A polícia ainda encontrou na escola um artefato com fios dentro de uma sacola. E garrafas com um líquido que parecia ser coquetel molotov. Todo esse material está sendo periciado.

A principal arma do crime foi um revólver calibre 38, com numeração raspada. Ou seja: foi comprado de criminosos. A arma foi encontrada junto aos corpos dos dois assassinos.

As fotos da tragédia na escola também mostram um outro tipo de objeto caído no chão. São os chamados jet loaders. Foram usados pelo menos quatro desses.

São dispositivos pequenos, feitos de plástico, com cinco furos onde a munição é encaixada. Segundo policiais, os assassinos usaram o equipamento para carregar o revólver em menos tempo para tentar matar o maior número de vítimas.

Os assassinos também tinham um arco e flecha e uma balestra, ou besta. Ainda não se sabe ao certo se chegaram a dispará-los. A besta não é considerada uma arma e tem venda livre.

 
Massacre em Suzano — Foto: Arte/G1Massacre em Suzano — Foto: Arte/G1

 

'Improvisação'

 

Para Diógenes Lucca, consultor em segurança, as armas usadas sugerem um certo grau de improvisação dos assassinos.

 

“Eles teriam feito essa ação com o que tivessem a mão, naquele momento. É claro que uma arma de fogo acabou facilitando e produzindo os danos que nós percebemos aí ao final da operação. Mas... a, o uso da machadinha foi muito revelador da vontade e do desejo absoluto de produzir aquele massacre”, falou Diógenes.

Os corpos de Guilherme e Luiz ainda estão no Instituto Médico-Legal (IML) de Mogi das Cruzes, na região metropolitana de São Paulo. Só serão liberados quando todos os mortos no ataque forem enterrados para evitar que parentes dos assassinos e das vítimas se encontrem.

 
Parentes velam a inspetora Eliana Regina de Oliveira Xavier em Suzano nesta quinta-feira (14) — Foto: Ueslei Marcelino/ReutersParentes velam a inspetora Eliana Regina de Oliveira Xavier em Suzano nesta quinta-feira (14) — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

 

Ministério Público

 

O Ministério Público de São Paulo informou, na noite de quarta, que vai investigar em que circunstâncias ocorreram as dez mortes do massacre em Suzano. O trabalho será realizado pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

O objetivo é apurar a possível existência de organização criminosa que tenha colaborado para "eventual cometimento de crimes relacionados a terrorismo doméstico, como apontam os primeiros indícios", diz o órgão. O termo terrorismo doméstico é usado para definir atentados terroristas cometidos por cidadãos contra o seu próprio povo ou governo.

Veja as mais acessadas