Explosão em refinaria na Alemanha deixa feridos e obriga 1,8 mil a sair de casa - Radio Tropical FM 99.1
(49) 3537.0980
Telefone
(49) 99104.0013
WhatsApp
Acompanhe
nas redes sociais

Alemanha Explosão em refinaria na Alemanha deixa feridos e obriga 1,8 mil a sair de casa

Explosão em refinaria na Alemanha deixa feridos e obriga 1,8 mil a sair de casa

Oito funcionários ficaram feridos na manhã deste sábado (1º) após uma explosão seguida de incêndio em uma refinaria na região de Ingolstadt, na Baviera, sul da Alemanha. Quatrocentos bombeiros foram mobilizados para controlar as chamas.

O incidente ocorreu em um setor de produção de gás e combustível líquido, por volta de 5h30 (0h30 no horário Brasília). A fumaça se alastrou em um raio de 20 km.

Devido ao risco de intoxicação, cerca de 1,8 mil moradores de Vohburg e Irsching, perto de Ingolstadt, foram retirados de suas casas e levados para ginásios na região. Eles foram autorizados a retornar para casa três horas depois, segundo a Deutsche Welle.

Entre os feridos, três tiveram queimaduras de gravidade média, segundo a polícia.

 
Incêndio e fumaça no local de uma refinaria da empresa Bayernoil pouco antes do amanhecer (Foto: Sebastian Pieknik / News5 / DPA / AFP)Incêndio e fumaça no local de uma refinaria da empresa Bayernoil pouco antes do amanhecer (Foto: Sebastian Pieknik / News5 / DPA / AFP)
 

A empresa Bayernoil, proprietária da refinaria, suspendeu imediatamente suas atividades. Não há informações sobre o que teria provocado o incidente.

A Bayernoil emprega 790 pessoas em duas instalações na Baviera. A companhia produz diferentes carburantes, como gasolina, diesel e óleo de uso doméstico, assim como asfalto. Ela tem capacidade de tratamento de petróleo bruto de 10,3 milhões de toneladas ao ano, segundo sua página na internet.

 
Imagem da refinaria de Ingolstadt, na Alemanha, logo após explosão e incêndio (Foto: TWITTER @ I_LECTRON / via Reuters)Imagem da refinaria de Ingolstadt, na Alemanha, logo após explosão e incêndio (Foto: TWITTER @ I_LECTRON / via Reuters)

Veja as mais acessadas