Polícia pede ajuda para identificar homem morto a pedradas em Luzerna - Radio Tropical FM 99.1
(49) 3537.0980
Telefone
(49) 99104.0013
Celular SMS / WhatsApp
Acompanhe
nas redes sociais
Concorra a prêmios! Seja o primeiro
a saber dos sorteios e promoções.

Luzerna Polícia pede ajuda para identificar homem morto a pedradas em Luzerna

Polícia pede ajuda para identificar homem morto a pedradas em Luzerna

Mais um crime brutal foi registrado no Meio-Oeste Catarinense. Um homem foi morto a socos e pedradas no início da tarde desta terça-feira (17).

O homicídio ocorreu numa estrada da Linha Grafunda, interior do município de Luzerna, quase na divisa com  Água Doce. O rosto da vítima ficou desfigurado em razão das agressões, dificultando a identificação por enquanto.

A polícia civil e militar, bem como o IGP estiveram no local, e segundo o responsável pela Delegacia de Luzerna, Gilmar Bonamigo, contatos estão sendo mantidos para a identificação da vítima.

“Fomos até o local e encontramos o homem caído numa valeta com o rosto completamente desfigurado em razão das pedradas, tanto é que não conseguimos identifica-lo ainda pelo seu rosto”, afirmou Bonamigo.

O corpo foi localizado por um senhor que mora nas proximidades, e que por volta do meio dia ouviu alguns gritos e visualizou três pessoas, provavelmente dois homens e uma mulher brigando.

“O pouco que eles viram irá ajudar nas investigações. Segundo a testemunha, a mulher segurou a vítima enquanto que o outro homem atirou a pedra de cima para baixo, provavelmente com a vítima caída”, disse Gilmar.

Segundo Bonamigo o homem encontrado morto não portava nenhum documento, sendo que ele possui uma tatuagem no braço direito escrito o nome Andressa e mais uma outra tatuagem não identificada no braço esquerdo.

“Por essas informações e características, se alguém conhecer a vítima que procure a polícia para nos ajudar na identificação dele e também dos autores. Acreditamos ser alguém da região. Os autores fugiram num veículo que também não foi ainda identificado”, concluiu Gilmar Bonamigo.

Por Julnei Bruno / Marcelo Santos

Testemunha conta como foi o crime. Veja:

Galeria de Imagens

Veja as mais acessadas