Polícia Militar apreende sino de igreja em SC por perturbação ao sossego - Radio Tropical FM 99.1
(49) 3537.0980
Telefone
(49) 3537.0980
WhatsApp
Acompanhe
nas redes sociais

Itajaí Polícia Militar apreende sino de igreja em SC por perturbação ao sossego

Polícia Militar apreende sino de igreja em SC por perturbação ao sossego

A Polícia Militar apreendeu no fim de semana o sino da Igreja de São Cristóvão, no Bairro Cordeiros, em Itajaí, por perturbação ao sossego. O sino, que é eletrônico, toca de hora em hora, das 7h às 18h, e parte dos vizinhos se diz incomodada com o barulho. A apreensão ocorreu sem ordem judicial e causou polêmica na vizinhança. A comunidade está coletando assinaturas para que as badaladas voltem a soar na igreja.

Desde o ano passado, há um acordo entre a igreja e alguns vizinhos para que o sino toque em tom mais baixo _ o que não teria sido cumprido. Um morador, que é capitão do Corpo de Bombeiros em Itapema, mas mora em Itajaí, acionou a PM. Na manhã de sábado, os policiais estacionaram ao lado da paróquia e esperaram o sino badalar para então entrar na igreja e confiscar o sino. 

A Polícia Militar não possui equipamentos em Itajaí para medir em decibéis o volume do sino. No entanto, a lei diz que não é necessária a comprovação para determinar a perturbação ao sossego. O material apreendido foi encaminhado à Justiça. 

A Mitra Metropolitana de Florianópolis, que é responsável pela Paróquia São Cristóvão, informou que o departamento jurídico da arquidiocese está avaliando o caso. A igreja ainda não se manifestou a respeito. 

O sino já marcava as horas na Igreja de São Cristóvão há nove anos. O costume é antigo, e lembra as paróquias de interior, onde nascimentos e mortes também eram anunciado pelo badalar dos sinos das igrejas.

Esta não é a primeira vez que igrejas católicas são punidas pelo som dos sinos no Estado. Em 2014, a igreja do Salto Weissbach, em Blumenau, precisou interromper as badaladas para se adequar à lei do silêncio. O problema, ali, era que o sino começava a badalar antes das 7h da manhã, horário em que isso não é permitido.

Um ano depois a Paróquia Santo Antônio, no Bairro Campinas, em São José, foi multada em R$ 3 mil pela Fundação do Meio Ambiente porque as badaladas ultrapassavam o limite de decibéis autorizado.

Agilidade

O que chama atenção na história do sino confiscado em Itajaí é a ação rápida e enérgica da polícia, que, embora seja legal, não costuma se repetir em casos de perturbação ao sossego. Esse tipo de ocorrência, via de regra, demora para ser atendida porque a polícia trabalha com prioridades _ e está certa nisso.

Um dia depois do episódio do sino confiscado, moradores da região da Lagoa do Cassino, na Praia Brava, enfrentaram uma madrugada de muito barulho e incômodo com som alto e bebedeira na rua. Nenhum carro foi apreendido.

Veja as mais acessadas