Pai de menino angolano com tumor no braço pede ajuda para terapia no Brasil - Radio Tropical FM 99.1
(49) 3537.0980
Telefone
(49) 99104.0013
WhatsApp
Acompanhe
nas redes sociais

Brasil Pai de menino angolano com tumor no braço pede ajuda para terapia no Brasil

Pai de menino angolano com tumor no braço pede ajuda para terapia no Brasil

m busca de tratamento para o filho, o motorista angolano Domingos Bernardo Manuel, de 38 anos, veio para Goiânia com o caçula Arão Guilherme Miranda Manuel, de 6 anos, que possui um tumor no braço e mão esquerdos. Após passar por terapias ineficazes no país de origem, na África do Sul e na Alemanha, ele renovou a esperança de conseguir o devido tratamento ao ver nas redes sociais o trabalho do médico Zacharias Calil, especialista nestes casos. Porém, a família não tem dinheiro para pagar o procedimento, avaliado em R$ 65 mil.

“Depois de tanta peregrinação, já estava desesperado. Encontrei o médico, conseguimos vir a Goiânia, mas não tenho dinheiro para o tratamento, para a cirurgia. Me prometeram ajuda na Angola, mas não deram. Peço ajuda ao povo brasileiro, ao governo, para prestar solidariedade. Só quero a cura do meu filho”, disse.

Arão, que tem uma irmã gêmea, nasceu com linfangioma. A enfermidade gerou uma malformação no menino. Apesar de ser benigno, o tumor se desenvolve conforme a criança cresce, pode provocar dores e restringe algumas ações.

“Ele fica triste porque vê os outros amigos com o braço normal. Tive que tirá-lo da escola porque lá os colegas querem brincar, correr, e ele não pode levar pancadas no braço. Às vezes, ele chora de dor e não podemos fazer muita coisa”, relata o pai.

Segundo o médico, se chegar a volume extremo, o tumor pode gerar graves consequências a Arão. “Apesar de ser benigno, tem características malignas porque invade, destrói, causa deformidade. O paciente pode ficar com sequelas nos braços, perder o movimento porque obstruiu a musculatura, atingir a parte óssea que pode causa fraturas”, explica Calil.

 

Mudança

Por causa do tratamento para o filho, Domingos deixou a mulher e os outros seis filhos na Angola. Ficar distante do restante da família não é fácil. “É muito duro ter abandonado a minha família toda, não é fácil, mas para a cura dele eu faço tudo. Jesus está lá para que tudo corra bem”, declarou.

Domingos e Arão contam com a ajuda de uma igreja para ficar em Goiânia. “Uma goiana entrou em contato com a igreja e pediu ajuda. Ela me passou o telefone do Domingos, ficamos em contato e eu disse para ele vir para Goiânia que pelo menos com estadia e alimentação a gente ia contribuir”, disse o pastor auxiliar da Igreja Nação Eleita, Rômulo Dias dos Santos.

 

Tratamento

Zacharias Calil explicou que a criança precisa ficar pelo menos um ano em Goiânia para passar pelo tratamento completo. A terapia inclui sessões para aplicar medicamentos e, depois, duas cirurgias.

“Em Goiás desenvolvemos um tratamento que nós diminuímos o tumor através do medicamento que eu mesmo desenvolvi. Faço uso do produto que é esclerosante [ reduz o tumor] e antiinflamatório. Injetamos dentro das lesões para deixarmos em condição de cirurgia. Se operar na condição que está, corre o risco de voltar”, explica o cirurgião pediátrico.

O médico alerta que o procedimento deve ser feito com cuidado para não afetar o braço do menino. “Não justifica fazer um procedimento que vai causar um dano maior ao paciente, como tirar um tendão, nervo e ficar com limitação maior que já tem”, ponderou.

Domingos disse que não conseguiu autorização do Sistema Único de Saúde (SUS) para o procedimento do filho. Segundo o motorista, diferentemente dos outros países que passou, o Brasil não tem convênio com o governo da Angola, que custeou o tratamento nas demais nações.

Galeria de Imagens

Veja as mais acessadas