• 49 3537.0980 Telefone
  • 49 9104.0013 Celular SMS / WhatsApp

Lindo Gesto.Jovem corta cabelo durante festa de 15 anos e doa a crianças com câncer

Lindo Gesto.Jovem corta cabelo durante festa de 15 anos e doa a crianças com câncer

Durante a festa de 15 anos, uma surpresa: a aniversariante Brenda de Barros realizou o sonho de cortar os cabelos para doar a crianças com câncer. O desejo da adolescente, que mora em Caruaru, no Agreste de Pernambuco, veio quando ela tinha 13 anos e viu crianças com a doença em um hospital.

"[Cortar o cabelo na festa] foi tudo ideia da minha mãe. Fazia tempo que eu vinha pedindo a ela para doar meu cabelo. Na festa, ela me surpreendeu e cortou", diz Brenda. A mãe da jovem, a técnica em enfermagem Dayse Luna, de 39 anos, conta que a filha sempre a questionava sobre o dia em que iria cortar o cabelo, mas ela nunca falava. "Quando eu vi o quanto Brenda é sensível, decidi fazer no aniversário dela".

Para a adolescente, foi gratificante cortar os cabelos para doação. "Esse cabelo todo vai fazer parte da cabeça de crianças que não têm. O meu cabelo vai crescer rápido, mas a gente não sabe se essas crianças vão conseguir recuperar", afirma.

Alguns parentes e amigos de Brenda acharam o novo corte bonito, outros não gostaram porque preferiam o cabelo dela grande. Convidados da festa chegaram a achar loucura o que a mãe da adolescente fez. "Mas, tudo bem. Eu adorei", brinca a jovem.

Questionada sobre o que acha de quem faz doações, ela garante: "É muito bonito. Não porque eu fiz. Câncer é uma doença complicada, não sabemos se vai curar, quando vai curar. Por isso, precisamos de mais amor para com as pessoas".

Motivo da doação
Durante a festa, Dayse contou aos convidados o que levou Brenda a querer cortar os cabelos. Há dois anos a mãe da jovem estava grávida e foi até um hospital fazer uma ultrassom. Na unidade de saúde, a adolescente viu algumas crianças com câncer. Uma delas olhou para os cabelos da jovem e passou a mão na própria cabeça, que não tinha nenhum fio de cabelo.

"Quando vi ela passar a mão na carequinha, comecei a chorar. Depois de muito choro, decidi que iria fazer a doação. Não encontrei aquela menina de novo, mas desde aquele dia ela está nas minhas preces", ressaltou Brenda.

Apesar do pedido de Brenda, a mãe não cortou o cabelo da filha de imediato. Por isso, a estudante decidiu fazer sozinha, mas o resultado não foi o que ela esperava.

"Coloquei ela de castigo por oito meses, ela diz que foi um ano. Deixei Brenda sem tudo o que gostava porque ela cortou sem a minha autorização. Não me arrependo do que fiz. Se a gente não puxar as rédeas do filho, ele vai embora", conta Dayse.

O castigo deu resultado e Brenda esperou pela autorização da mãe para realizar o sonho. Além da criança que a jovem viu no hospital, outra coisa a motivou a querer doar os cabelos. Quando a adolescente tinha entre oito e nove anos, a mãe da melhor amiga teve câncer. "Ver o sofrimento dela também fez com que eu quisesse doar", conta.

Depois do corte
Brenda diz que não se arrepende e nem sente saudades do cabelo. Para ela, o novo corte representou leveza. Já a mãe, agradece pelo gesto da filha. "Graças a Deus que ela não está com câncer. Ela está doando porque quer e isso me emociona muito", ressalta a técnica em enfermagem.

Dayse ainda destaca que no início foi difícil não ver a filha com os cachos. "Fiquei achando ela parecida com um menino, mas as pessoas que trabalham comigo ficaram dizendo que ela é linda de todo jeito. Então, percebi que é mesmo", brinca.

Doação ao Icia
Brenda, junto com a mãe, decidiu doar os cabelos para o Instituto do Câncer Infantil do Agreste (Icia), localizado em Caruaru. Quem recebeu a doação - de forma simbólica - foi o pequeno Harison Pereira, de 10 anos.

Harison é natural da zona rural de Pesqueira, no Agreste, mas mora em Caruaru há pouco mais de seis meses, quando foi diagnosticado com leucemia. A mãe dele, a dona de casa Marcilene Pereira, diz que percebeu que o filho estava doente quando ele deixou de querer brincar e passou a se acordar mais tarde do que de costume.

"Levei ele no hospital, fizeram exames, mas só dava que ele tinha anemia. Depois, descobrimos o câncer. Ele chegou a ficar dois meses internado no Hospital Mestre Vitalino. Trouxe meu filho para o Icia praticamente morto, agora ele já está melhor e não tem quem segure ele mais", comemora a mãe.

O menino foi submetido a sessões de quimioterapia no Icia, mas agora o tratamento é feito em casa, com comprimidos. Mesmo assim, Marcilene ainda leva Harison para o instituto para que seja feito o acompanhamento médico.

Ao saber da doença do filho, ela disse que não sabia o que fazer. "Meu chão e do pai dele caiu. Eu achava que ele não iria adoecer. Quando cortaram o cabelo [de Harison], fiquei mais nervosa do que ele. Eu disse que iria nascer de novo e ainda melhor. Os médicos sempre me diziam que eu tinha que ajudá-lo a passar por isso. E eu estou ajudando", conta a dona de casa emocionada.

Harison diz que não gosta de ver a mãe chorando e ainda revela o que achou quando cortaram o cabelo dele. "Pensei que não iria nascer mais, agora está crescendo um pouquinho", diz. O menino ainda conta que o que mais quer em um futuro próximo é "ficar bem e voltar para o sítio".

Para Marcilene, Brenda representa as pessoas de bom coração. "A gente depende de quem tem, de quem quer doar. Cada doação já ajuda muito. Foi muito bonito o que ela fez. Ela é linda!", completa.

Galeria de Imagens

Notícias Relacionadas