Mulher confessa ter jogado jovem ainda vivo no Rio Irani com ajuda de outro homem - Radio Tropical FM 99.1
(49) 3537.0980
Telefone
(49) 99104.0013
Celular SMS / WhatsApp
Acompanhe
nas redes sociais
Concorra a prêmios! Seja o primeiro
a saber dos sorteios e promoções.

Chapecó Mulher confessa ter jogado jovem ainda vivo no Rio Irani com ajuda de outro homem

Mulher confessa ter jogado jovem ainda vivo no Rio Irani com ajuda de outro homem

Duas pessoas suspeitas da morte de um rapaz de 22 anos foram presas há uma semana, na última sexta-feira, dia 5, em Chapecó. O resultado do inquérito foi divulgado pela Delegacia de Investigações Criminais (DIC) esta semana.

Carlos Roberto Crivone, de 22 anos, foi encontrado no Rio Irani com as mãos e pés amarrados, no município de Arvoredo, no dia 24 de janeiro.

Com a suspeita de que o jovem tivesse sido arremessado no rio ainda com vida, a Polícia Civil iniciou as investigações e chegou aos dois suspeitos do crime.

Uma mulher e um homem, de 29 e 33 anos, foram presos em Chapecó. Segundo a Polícia Civil, a mulher confessou ter dado pauladas na cabeça de Carlos Roberto e depois arremessado a vítima no rio com o auxílio do comparsa.

Amarrado, o jovem ainda estava vivo quando foi jogado na água e acabou morrendo afogado. "Foi uma morte muito cruel, ele foi amarrado para que evitasse que depois de acordado conseguisse nadar", disse o delegado Vagner Papini.

Segundo o delegado, a vítima e a mulher, que é garota de programa, tinham um relacionamento informal de namoro. No entanto, ele estaria começando a obrigá-la a repassar o dinheiro de programas para comprar drogas, tanto para consumo quanto para a venda.

"No dia do crime, ela conta que ele tinha chegado muito embriagado e a ameaçando com um pedaço de vidro. Ela desferiu golpes na cabeça dele e chamou o outro homem para ajudá-la. Eles amarraram as mãos e pés dele e o enrolaram em uma capa de sofá", disse o delegado.

"Nós tivemos bastante dificuldade de identificar o corpo. A família não registrou nenhum boletim de ocorrência, ele já estava afastado deles pelo tráfico de drogas", explica Papini.

Por meio de uma tatuagem, correlacionada a um grupo criminoso de um bairro da cidade, o delegado conseguiu identificar a vítima e os suspeitos do crime.

"Recebemos a informação que a mulher já havia confessado para outras pessoas o crime, o que ela confirmou durante depoimento na delegacia", disse.

Os dois respondem por homicídio qualificado. A mulher foi encaminhada para o presídio Feminino de Chapecó e o homem para o Presídio Regional de Chapecó. Segundo o delegado, vítima e suspeitos tinham passagem por tráfico de drogas.

Galeria de Imagens

Veja as mais acessadas