Número de focos do mosquito Aedes aegypti aumenta 71% em SC e 64 municípios são considerados infestados - Radio Tropical FM 99.1
(49) 3537.0980
Telefone
(49) 99104.0013
Celular SMS / WhatsApp
Acompanhe
nas redes sociais
Concorra a prêmios! Seja o primeiro
a saber dos sorteios e promoções.

Santa Catarina Número de focos do mosquito Aedes aegypti aumenta 71% em SC e 64 municípios são considerados infestados

Número de focos do mosquito Aedes aegypti aumenta 71% em SC e 64 municípios são considerados infestados

O número de focos do Aedes aegypti em Santa Catarina aumentou 71,1% na comparação entre janeiro de 2018 e o mesmo mês de 2017, segundo o mais recente boletim da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive), divulgado nesta quinta-feira (8).

Foram encontrados focos em 91 municípios catarinenses. Desses, 64 são considerados infestados (veja abaixo).

De 31 de dezembro de 2017 a 3 de fevereiro de 2018, foram identificados 2.073 focos do inseto, de acordo com o boletim da Dive. No mesmo período do ano passado, eram 1.207.

 
Municípios infestados pelo Aedes aegypti (Foto: Dive/SES/SC)Municípios infestados pelo Aedes aegypti (Foto: Dive/SES/SC)

Municípios infestados pelo Aedes aegypti (Foto: Dive/SES/SC)

O mosquito é o transmissor da dengue, febre chikungunya e vírus da zika. Em 2018, não foram registrados casos dessas doenças em Santa Catarina, conforme a Dive.

 

Confira dicas para evitar a proliferação do mosquito:

 

 

  • Evitar usar pratos nos vasos de plantas. Se usar, colocar areia até a borda;
  • Guardar garrafas com o gargalo virado para baixo;
  • Manter lixeiras tampadas;
  • Deixar os depósitos para guardar água sempre vedados, sem qualquer abertura, principalmente as caixas d’água;
  • Plantas como bromélias devem ser evitadas, pois acumulam água;
  • Tratar a água da piscina com cloro e limpe uma vez por semana;
  • Manter ralos fechados e desentupidos;
  • Lavar com escova os potes de comida e de água dos animais, no mínimo, uma vez por semana;
  • Retirar a água acumulada em lajes;
  • Dar descarga, no mínimo, uma vez por semana em banheiros pouco usados;
  • Manter fechada a tampa do vaso sanitário;
  • Evitar acumular entulhos, pois podem se tornar locais de foco do mosquito da dengue.
  • Denunciar a existência de possíveis focos de Aedes aegypti para a Secretaria Municipal de Saúde.

Veja as mais acessadas