VÍDEO: Acusado por crime na Guerra da Bósnia morre ao ingerir veneno durante julgamento - Radio Tropical FM 99.1
(49) 3537.0980
Telefone
(49) 99104.0013
Celular SMS / WhatsApp
Acompanhe
nas redes sociais
Concorra a prêmios! Seja o primeiro
a saber dos sorteios e promoções.

Mundo VÍDEO: Acusado por crime na Guerra da Bósnia morre ao ingerir veneno durante julgamento

VÍDEO: Acusado por crime na Guerra da Bósnia morre ao ingerir veneno durante julgamento

O ex-alto responsável das forças croatas da Bósnia morreu em um hospital de Haia depois de ter ingerido veneno na sala de audiência do Tribunal Penal Internacional para a ex-Iugoslávia (TPII) em Haia, informou a agência oficial croata Hina, citada pela France Presse. A mesma informação foi divulgada pela televisão estatal da Croácia, segundo a Reuters.

Slobodan Praljak, 72 anos, afirmou que rejeitava a condenação de 20 anos e depois ingeriu ante as câmeras o conteúdo de um frasco que tirou do bolso. Seu advogado de defesa afirmou que se tratava de veneno, e a audiência foi imediatamente suspensa.

O juiz determinou que o copo utilizado pelo réu fosse guardado para análise. Uma fonte da BBC relatou ter ouvido que uma ambulância foi chamada.

Praljak é um dos seis líderes bósnio-croatas, entre políticos e militares, a responderem perante o Tribunal Penal Internacional para a Antiga Iugoslávia, em Haia, segundo a emissora inglesa.

 

Assista o momento em que ele ingere o veneno:

 

Juntamente com os bósnio-sérvios, os bósnio-croatas lutaram contra a população muçulmana do país em uma guessa civil no início dos anos 90, após a dissolução da Iugoslávia.

Como ex-comandante militar, Praljak foi condenado por não atuar para conter o cerco e a matança de civis e, especificamente por ordenar a destruição da ponte de Mostar - uma construção histórica -, em 1993, causando "danos desproporcionais para a população civil muçulmana", segundo os juízes.

 

O tribunal estabelecido pela ONU condenou também o general sérvio Ratko Mladic, no último dia 22, por genocídio. A corte, criada em 1993, quando os combates ainda estavam emm andamento, deve encerrar seus trabalhos em dezembro. Ela foi responsável por indiciar 161 suspeitos, dos quais 90 foram condenados.

Veja as mais acessadas